Login
Início •  Boletim •  Pensamento •  Recado •  Site •  Apresentações •  Estante •  Cadastre-se •  Colabore •  Quem somos •  Ajuda • 
rss facebook twitter blog
Controvérsia
  
Textos por:  Assuntos  Número  Data •  Vídeos por:  Data  Categorias  Número
Acessos:
390
Assunto:
Cultura
Postado:
23/12/2011-10h
Nº:
11148
Enviar Imprimir


Não amar nem sempre quer dizer odiar, diz Umberto Eco
Nos últimos anos eu escrevi sobre o racismo, a construção psicológica do inimigo e a função política da expressão de ódio pelos "outros" ou do desprezo pelo conceito de diversidade.

Umberto Eco

Eu acreditava já ter dito tudo o que havia a dizer sobre essa questão, mas em uma conversa recente com o meu amigo Thomas Stauder, surgiram algumas questões novas --bem, pelo menos para mim elas eram novas. Foi aquele tipo de conversa após a qual a gente não consegue se lembrar exatamente quem disse o que, mas que foi marcada por uma concordância quanto às conclusões.

As pessoas tendem, com uma tolice bastante pré-socrática, a enxergar o amor e o ódio como dois opostos --alternativas mutuamente necessárias e simétricas. Ou seja, se nós não amamos uma determinada pessoa, temos necessariamente que odiá-la, e vice-versa. Obviamente, no entanto, existem infinitos estágios intermediários situados entre esses dois polos. Mesmo se utilizarmos os termos metaforicamente, o fato de eu adorar pizza, mas não ser louco por sushi, não significa que eu odeie sushi --eu simplesmente gosto menos de sushi do que de pizza. O fato de eu adorar alguém não significa que eu odeie todas as outras pessoas; o oposto do amor pode tranquilamente ser a indiferença. Eu amo os meus filhos, e sou indiferente em relação ao motorista de táxi que me buscou duas horas atrás.

Mas o fato concreto é que alguns tipos de amor são isoladores, exclusivos. Se eu me encontrar loucamente apaixonado por uma mulher, eu esperarei que ela ame a mim e não a outros (ou pelo menos não da mesma forma). De forma similar, uma mãe sente um amor intenso pelos seus filhos e deseja que eles a amem de uma maneira especial, e ela jamais sentir-se-á compelida a amar os filhos de outras pessoas com a mesma intensidade. Portanto, da sua maneira própria, o amor é egoísta, seletivo e possessivo.

É claro que existe aquele mandamento que nos diz para “amar” os nossos vizinhos – todos os sete bilhões de seres humanos – da mesma forma que nós amamos a nós próprios. Mas, na prática, esse mandamento apenas nos obriga a não odiar ninguém; ele não significa que nós tenhamos que amar um desconhecido da mesma maneira que amamos os nossos pais ou os nossos netos.

Eu amo o meu neto mais do que, digamos, um caçador de focas que eu jamais conheci pessoalmente. Isso não significa que para mim não teria a menor importância se um homem que mora do outro lado do mundo morresse, mas o fato que é que em qualquer circunstância eu ficaria mais abalado com a morte da minha avó do que a de um desconhecido.

Por outro lado, o ódio pode ser coletivo. Na verdade, especialmente sob regimes totalitários, ele tem que ser necessariamente coletivo. Quando eu era criança, o Partido Fascista me perguntou se eu odiava todos os filhos de Albion (Grã-Bretanha), e todas as noites Mario Appelius recitava no rádio o seu ritual "Que Deus amaldiçoe os ingleses". É isso o que desejam os ditadores e os populistas – e também as facções religiosas fundamentalistas –, já que o ódio por um inimigo comum une as pessoas e faz com que todas elas sintam o mesmo ardor.

O amor aquece o coração em relação a apenas algumas poucas pessoas selecionadas. Já o ódio aquece o coração em relação a todos os que estão do nosso lado, e é capaz de mobilizar um grupo contra milhões de indivíduos: uma nação, um grupo étnico, pessoas que têm a cor da pele diferente ou aquelas que falam outra língua. Um italiano racista pode odiar albaneses, romenos ou ciganos. Umberto Bossi, o líder do partido italiano Liga Norte, detesta todos os italianos do sul (e ao considerarmos que o salário dele é pago, em parte, pelos impostos cobrados dos sulistas, tal fato é realmente uma obra prima de malignidade, na qual o ódio se integra ao prazer de atormentar ainda mais os atormentados). Quando era primeiro-ministro, Silvio Berlusconi deixou claro que detestava juízes e pediu ao povo italiano que fizesse o mesmo – e que detestasse também todos os comunistas, mesmo que isso significasse conjurar imagens destes indivíduos que não existem mais.

Portanto, o ódio não é individualista, mas sim generoso e inclusivo, englobando multidões inteiras de uma só vez. Somente nos romances nos dizem que é bonito morrer por amor; e geralmente o herói que mais deve ser imitado é aquele que sucumbe ao derrotar o vilão – o inimigo odiado.

A história da nossa espécie é mais marcada por ódio, guerras e massacres do que por atos de amor, que são intrinsecamente menos confortáveis e também bastante cansativos quando ousam transcender o círculo imediato do nosso egoísmo. A nossa queda pelos prazeres do ódio é tão natural que os líderes manipuladores não encontram nenhum empecilho para estimulá-la. Por outro lado, em determinadas ocasiões, ao que parece, nós somos encorajados a amar apenas por intermédio de personagens fictícios e repulsivos que têm o hábito desconcertante de beijar leprosos.

Tradução: UOL








Link original da matéria




Texto postado por:


Claudio Palácio

Últimas postagens sobre:  Cultura






Tamanho do texto: ( + ) ( - )     Textos organizados por: assunto | número | data
Pensamento da hora



Mário Quintana


Os livros não mudam o mundo. Quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas

A "Estante" de...



Felipe


Ensaio sobre a cegueira
José Saramago
Os 12 textos + lidos
Recado dos leitores


Marlene Haiden
Geógrafa/SP


Muito bom o site. tem artigos e textos bem interessantes para quem quer se atualizar. Parabéns ao professor Ricardo Alvarez pela brilhante idéia de criar um site voltado para todos aqueles que querem sempre algo mais em matéria de conhecimentos.
A
Sites legais