Médico cubano ‘escravo’ tem renda maior do que 99% dos brasileiros ‘livres’

Carta Campinas – Após o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) dizer que os médicos cubanos são ‘escravos’, o jornalista Gilberto Dimenstein foi atrás de dados para fazer um comparação entre a renda do médico cubano e a renda dos brasileiros ‘livres’.  (E olha que Dimenstein é um jornalista que acreditava que Sérgio Moro era juiz de verdade!, pelo menos até ganhar um cargo no governo Bolsonaro)

Dimenstein chegou a conclusão de que os médicos cubanos pertenceriam economicamente a classe mais rica do Brasil, ou seja, ao 1% mais rico.

Apesar de muito alta, a relação ainda deixou de fora o custo de vida em Cuba e no Brasil, o que aumenta ainda mais a riqueza do médico ‘escravo’ cubano em relação ao brasileiro ‘livre’.

O jornalista lembra que um médico cubano que vem ao Brasil trabalhar ganha salário mensal de R$ 3 mil líquidos – ou seja, já descontados os impostos. Também recebe casa e comida grátis, bancadas pelas perfeituras brasileiras. “Portanto, a renda líquida do médico cubano giraria no mínimo em torno de R$ 8 mil. Para um brasileiro ganhar essa renda líquida seria necessário um salário em torno de R$ 10 mil mensais – o que o coloca na classe A. Ou seja, os mais ricos”, diz Dimenstein.

Ele lembra que segundo o IBGE, a Renda média do brasileiro foi de R$ 1.268 em 2017; “Menos de 1% da população brasileira é rica. Isto significa que 1,5 milhão de pessoas ganha mais de R$ 8 mil (precisamente R$ 8.518,04). O salário médio per capita de uma família rica, desde que as quatro pessoas trabalhem, é de R$ 2.129,51. Ou seja, o “escravo” cubano faz parte de 1% mais rico do Brasil“, mostra Dimenstein.

Mas isso é só o começo da conversa comparativa entre os médicos cubanos ‘escravos’ e os brasileiros ‘livres’. O custo de vida em Cuba chega a ser 10 vezes menor do que o preço do custo de vida no Brasil. Um salário mínimo em Cuba gira em torno de 30 dólares enquanto no Brasil é de 265 dólares. Ao levar esser recursos para Cuba, os médicos ‘escravos’ se tornam ainda mais ricos.

E há mais diferenças: os médicos ‘escravos’ têm as melhores escolas e faculdades do país e os melhores hospitais e tratamentos gratuitamente. Ou seja, esse salário de R$ 3 mil em Cuba se torna um superssalário.

Vale lembra que o presidente eleito Jair Bolsonaro votou a favor da chamada Reforma Trabalhista,que retirou direitos dos trabalhadores brasileiros que ganham um salário mínimo.

Só para lembrar, um salário mínimo no Brasil não permite pagar nem plano de saúde e nem escola particular para os filhos. Mas é um valor que permite ser livre para sonhar que um dia ficarão ricos.

Médico cubano ‘escravo’ tem renda maior do que 99% dos brasileiros ‘livres’

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


wordpress website design