Tottenham blinda Lucas Moura após declaração de apoio a Jair Bolsonaro

Caio Carrieri – O Tottenham se movimenta nos bastidores para blindar Lucas Moura. O clube inglês tenta evitar que se estenda a repercussão causada pelo apoio público do atacante a Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições presidenciais. Na última segunda-feira (10), o jogador se posicionou no Twitter a favor do candidato, internado após sofrer um atentado em Juiz de Fora (MG) na semana passada.

As posições controversas do deputado federal, acusado de machismo, racismo e homofobia, contrastam com valores históricos do Tottenham, de inclusão social da sua comunidade multicultural composta por minorias no norte de Londres. Diante disso, o UOL Esporte entrou em contato com a Proud Lilywhites, torcida LGBT oficial do clube. Diferentemente do futebol brasileiro, onde a homossexualidade ainda é tabu, na Inglaterra clubes apoiam a causa abertamente, e o Tottenham é um deles. Tanto no White Hart Lane, antigo estádio dos Spurs, quanto em Wembley, casa provisória até a finalização da nova arena, os aficionados LGBT exibem bandeiras com as cores do arco-íris.

Inicialmente, Chris Paouros, presidente da Proud Lilywhites, mostrou-se aberta a comentar o posicionamento de Lucas. Depois de Paouros avisar ao clube sobre o pedido de entrevista, ela mudou a postura, declinou a solicitação e não respondeu mais à reportagem. Procurado pelo UOL Esporte, o Tottenham se limitou a responder o seguinte: “Não há comentários da nossa parte”. A reportagem apurou, no entanto, que o clube se preocupou com o caso e decidiu blindar o jogador.

Para Ellis Cashmore, sociólogo, professor da Aston University, em Birmingham, e referência em estudos sobre etnias no futebol do Reino Unido, Lucas pode sofrer rejeição de torcedores do Tottenham se o caso ganhar maior alcance no país.

“O que me intriga é o Lucas, um homem negro, apoiar alguém acusado de condutas racistas. É muito ingênua a declaração do Lucas de que o Bolsonaro estaria preso se fosse racista, porque estamos longe de ter todos os racistas atrás das grades”, Cashmore argumenta. “Se a sociedade inglesa tomar real conhecimento de que o Lucas apoiou publicamente um candidato que também já foi acusado de antissemitismo, isso será motivo de constrangimento para o clube, de fortes tradições judaicas. Caso essa história ganhe maiores proporções na Inglaterra, acredito que haverá uma reação negativa da torcida”.

Francisco Panizza, chefe do programa latino-americano de pesquisa em assuntos internacionais da London School of Economics, refuta essa possibilidade. “Há mais de 20 anos como membro do Congresso Nacional, Bolsonaro tem muito apoio de alguns setores da sociedade brasileira por diferentes motivos, como a retórica anticorrupção”, avalia. “Porém, aposto que 99% da torcida do Tottenham sequer sabe quem é o Bolsonaro, o que ele representa ou até mesmo que tem o apoio de Lucas Moura. Também não tenho certeza se os torcedores se importariam com quem ele apoia na política brasileira contanto que ele jogue bem pelo clube”.

Dan Fich, 41 anos e fundador há uma década do site independente TottenhamBlog, está entre os torcedores ingleses que passaram a buscar mais informações sobre Bolsonaro depois do posicionamento favorável do atacante. “É obviamente uma atitude mal pensada para um jogador de futebol de alto nível apoiar uma figura tão controversa. Claro que atletas têm o direito a opiniões políticas assim como qualquer pessoa, mesmo se tratando de convicções que a maioria talvez discorde. Ainda assim, se eles publicam suas visões nas redes sociais, estão se expondo a contra-argumentos, críticas e análises da mídia”, diz.

Ainda de acordo com Fich, torcedores do Tottenham já debatem o tema nas redes sociais, discutindo se a posição política de um jogador deve interferir no apoio que recebe da arquibancada. “Se alguns torcedores defendem a liberdade de expressão de Lucas, de alguma maneira me parece hipocrisia que eles neguem o direito de outros fãs o criticarem”, pondera. “Tenho certeza de que o clube fará de tudo para administrar essa questão nos bastidores e garantir que Lucas mantenha para si suas visões políticas a partir de agora. Se conseguir, a polêmica morrerá, mesmo se persistirem provocações sobre o jogador ser de direita”.

A Kick It Out, renomada instituição que atua há 25 anos no combate à discriminação no futebol inglês, com financiamento da federação nacional, da Associação Profissional de Jogadores, da Premier League e da Football League, optou por não comentar o fato. “Temos a visão de que seja quem for o candidato apoiado por Lucas Moura, esta é uma questão do contexto brasileiro. Por mais que nossa organização possa discordar dos pontos de vista do Bolsonaro, fazemos campanhas dentro do futebol inglês”.

A Football Supporters Federation, com mais de meio milhão de aficionados associados e distribuídos entre todas as divisões, adotou a mesma postura. “Estamos sempre dispostos a comentar quando sentimos que é uma área em que temos conhecimento e estamos representando as opiniões de nossos membros. Nesta ocasião, a política brasileira certamente não é nossa área de especialização, e esta não é uma questão colocada pelos nossos membros”.

Em contato com a reportagem, a assessoria de imprensa de Lucas Moura informou que ele não se pronunciará sobre o assunto.

No próximo sábado, o Tottenham recebe o Liverpool em Wembley, e o atacante terá mais uma oportunidade de ratificar o grande momento vivido com a camisa dos Spurs. Com três gols em quatro partidas, Lucas foi eleito o melhor jogador da Premier League no mês de agosto. O último brasileiro a conquistar tal prêmio havia sido David Luiz, em 2011.

https://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2018/09/13/tottenham-blinda-lucas-moura-apos-declaracao-de-apoio-a-jair-bolsonaro.htm

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*