Com mecanização de lavouras, vilas de boias-frias viram cidades fantasmas

ESTELITA HASS CARAZZAI – Buva é como é chamado um matinho persistente que aparece no meio das lavouras de soja. Resistente ao agrotóxico, ela é uma das pragas que mais preocupa os agricultores. Como buvas, também permanecem os moradores de vila Marquesita, no interior do município de Matelândia (PR), em meio às lavouras de soja e milho.

Entre casas abandonadas e um cemitério mais povoado que a própria vila, antigos boias-frias das primeiras plantações da região, de hortelã, passam a velhice.

“Fazer o quê aqui? Tem pouca terra, pouco espaço. A aposentadoria vai toda para a Unimed”, diz o comerciante Leonildo Tedesco, 74, dono de uma venda.

Mesmo com a prosperidade do agronegócio, que aumentou a renda da região, alguns distritos sofreram queda populacional –tais como Marquesita, onde restam 160 famílias. Só crescem as cidades, para onde vai a antiga mão de obra das fazendas, hoje mecanizadas, e onde vivem os empregados das agroindústrias. Um contraste à fronteira agrícola brasileira, onde as vilas rurais só aumentam, como mostrou a Folha.

Em Marquesita, a agência dos Correios deixou de funcionar em julho. O médico só vai ao posto de saúde duas vezes por semana.

No distrito de Jotaesse, em Tupãssi (PR), a duas horas dali, sobra dinheiro e falta gente.

As ruas, com nomes de países europeus, têm calçadas com acesso para cadeirantes e canteiros centrais com arbustos em forma de helicóptero. Antiga vila de boias-frias que trabalhavam nas lavouras de algodão, Jotaesse ainda sedia uma unidade industrial da Copacol –então, tem renda. Mas bem menos gente que antigamente.

“Aqui, no Natal, eram 22h, 23h e ainda estávamos atendendo”, diz Ilzia Santana, 44, dona de uma loja de roupas.

Nos anos 1980, caminhões de boias-frias paravam na localidade. A população chegava a 20 mil pessoas. Hoje, não passa de 1.500.

“Depois que o algodão foi embora, arrumaram outros serviços, pedreiro, essas coisas que não exigem estudo”, afirma Santana.

Mesmo os pequenos agricultores estão rareando, em função da baixa renda e da falta de herdeiros que fiquem na propriedade.

“Não estudei mais porque o cabo da enxada não exigia”, brinca Cláudio Henrique Kayser, 51, que ainda vive em Jotaesse. “A gente não se preocupava. Hoje, a maioria trabalha fora daqui.”

http://m.folha.uol.com.br/mercado/2017/10/1926803-com-mecanizacao-de-lavouras-vilas-de-boias-frias-viram-cidades-fantasmas.shtml