Maia aprendeu a ser leal com o pai​

Paulo Henrique Amorim – O gatinho angorá começa a sentir os afagos do não-genro

O best-seller “Plim-Plim, a peleja de Brizola contra a fraude eleitoral“, de Paulo Henrique Amorim e Maria Helena Passos descreve como o SNI do General Golbery – o “Feiticeiro” do historialista – e a Globo Overseas tentaram roubar a eleição de Brizola para governador do Rio, em 1982, e entregar o lugar ao gatinho angorá, candidato do regime militar e que, àquela altura, já demonstrava o desejo de possuir um cofre.

ansioso blogueiro era o redator-chefe do Jornal do Brasil, quando era o melhor jornal do Brasil.

E, na companhia de Eliakim Araújo e a briosa equipe da Rádio Jornal do Brasil, contribuiu para desmascarar a grosseira fraude.

(Pela primeira vez, uma eleição brasileira ia ser totalizada no computador. E os militares – com o prévio conhecimento da Globo e do gatinho – introduziram um “diferencial Delta” na totalização: votos “brancos” eram transformados em votos para o gatinho angorá.)

Brizola logo tomou conhecimento da safadeza.

E nomeou um jovem economista, recém chegado do Chile, de “absoluta lealdade” ao brizolismo, para chefiar o monitoramento da apuração, em nome do PDT.

Era Cesar Maia, pai do Rodrigo.

Cesar vivia na redação do Jornal do Brasil, para acompanhar a apuração paralela que a Rádio Jornal do Brasil realizava.


Cesar – o cabeludo – supervisionava, com absoluta lealdade, a apuração do PDT de Brizola

E com essa apuração paralela o Jornal do Brasil foi o primeiro a dizer que o Brizola ia ganhar a eleição.

Cesar Maia traiu Brizola miseravelmente.

Tentou chupar o sumo do brizolismo do Rio até onde pôde.

E, depois, converteu-se à causa da Casa Grande.

E no berço da dita casa, depositou o rebento.

Rodrigo aprendeu a ser leal com o pai.

E agora diz “o Moreira não é meu sogro“.

Porque Moreira casou com a mãe da mulher dele.

Portanto, não é sogro dele…

Não é o que dava a parecer.

Enquanto tramavam o Golpe, Maia e o não-sogro desfrutavam de magnífico almoço de sábado no magnífico restaurante Giuseppe Grill, na Avenida Bartolomeu Mitre, no Leblon.

Ali, não-genro e não-sogro se esbaldavam na companhia de ínclitos empresários cariocas!

Enquanto eram cumprimentados efusivamente por Thomas Trautmann, que, com a mesma canina lealdade, foi Ministro da Comunicação Social da Presidenta Dilma.

Em tempo: a propósito, no Golpe, no Senado, Requião e Lindbergh se referiram a canalhas, canalhas, canalhas.

https://www.conversaafiada.com.br/politica/maia-aprendeu-a-ser-leal-com-o-pai200b

Be the first to comment

Deixe uma resposta