Lei da saúde de Trump deve tirar cobertura de 23 milhões de pessoas

ISABEL FLECK – Um novo levantamento oficial mostra que o plano de assistência à saúde aprovado pela Câmara dos EUA no início deste mês para substituir o Obamacare —a reforma do sistema promovida por Barack Obama (2009-17)— deixará 23 milhões de americanos a mais sem cobertura ao longo da próxima década.

A proposta aprovada do chamado “Trumpcare” também terá impacto mais modesto sobre o deficit orçamentário do país: o corte fica mais de 50% abaixo do esperado, levando os republicanos no Senado a verem o texto com ainda mais desconfiança.

Manifestantes protestam antes de uma reunião com o republicano Tom MacArthur, contrário ao Obamacare

Manifestantes protestam antes de uma reunião com o republicano Tom MacArthur, contrário ao Obamacare

A Lei de Saúde Americana, aprovada por margem apertada após várias mudanças que agradaram alas mais conservadoras, teve uma votação a jato na Câmara, antes da divulgação do relatório do Congressional Budget Office (CBO), agência apartidária ligada ao Congresso americano responsável pelo cálculo.

A rapidez foi criticada pela oposição democrata.

A análise completa do CBO só foi divulgada na noite de quarta (24), 20 dias depois, e prevê que o texto —se aprovado pelo Senado como está— reduzirá o deficit federal em US$ 119 bilhões até 2026.

O primeiro projeto apresentado pelo presidente da Câmara, o republicano Paul Ryan, e modificado após não obter apoio suficiente na casa apesar da maioria governista, projetava uma redução de US$ 337 bilhões, ou 57% do deficit de US$ 587 bilhões registrado em 2016.

COBERTURA

Na comparação com o primeiro texto, contudo, o projeto que passou na Câmara garantirá 1 milhão a mais de segurados em dez anos.

Para muitos senadores republicanos, não é suficiente, porque ainda deixará 51 milhões de americanos sem cobertura nenhuma em 2026, contra 28 milhões que não estarão segurados se o Obamacare continuar em vigor.

“Isso [o relatório] torna tudo mais mais difícil”, disse o senador republicano por Nevada Dean Heller, ao jornal “The New York Times”.

“Apesar de ser a favor de acabar com o Obamacare, eu me oponho à Lei de Saúde Americana como ela é hoje.”

Seu correligionário Patrick Toomey, senador pela Pensilvânia, afirmou que a análise do CBO acende “luzes amarelas” sobre o texto aprovado na outra casa. Os senadores do partido já vinham indicando que redigirão sua própria proposta para a substituição do Obamacare, com base nas suas “prioridades”.

Ainda segundo o relatório da agência, 14 milhões de americanos a mais estarão sem cobertura já no próximo ano, se o projeto da Câmara for aplicado. Destes, 8 milhões seriam cidadãos que deveriam desistir de seus planos individuais com o fim da multa prevista pelo Obamacare para quem não contratar um seguro.

Nos próximos dez anos, contudo, os mais afetados serão os mais pobres. Entre os 23 milhões a mais que estariam sem cobertura, 14 milhões seriam pessoas atendidas pelo Medicaid, sistema público voltado à população de mais baixa renda, segundo o CBO.

O número é o mesmo previsto no primeiro texto apresentado por Ryan, mas 17% maior do que a previsão se o Obamacare fosse mantido.

No Senado, o presidente Donald Trump terá ainda que cortejar os senadores mais moderados de seu partido, preocupados com o impacto das mudanças sobre a cobertura de saúde para os mais pobres e os mais velhos, para fazer passar a lei.

Alguns pontos certamente serão revistos. Entre eles, está a falta de garantia de plano de saúde para pessoas com doenças preexistentes.

Outro item que preocupa republicanos moderados é a concessão de Trump a ultraconservadores para tirar a obrigatoriedade dos planos de oferecerem o que hoje são considerados cuidados essenciais, como atendimento emergencial e pré-natal.

*

Impacto do Trumpcare

Como ficará o sistema de saúde dos EUA com o projeto aprovado pela Câmara

23 milhões
de pessoas a mais perderão a cobertura de saúde até 2026, em relação ao Obamacare, o que significa que

51 milhões
de pessoas com menos de 65 anos estarão sem seguro em 2026 com o projeto aprovado; com o Obamacare, seriam 28 milhões

14 milhões
dos 23 milhões a mais que perderão a cobertura até 2026 participam do Medicaid; outros 6 milhões deixarão seus planos individuais

US$ 119 bilhões
é o valor que será reduzido do deficit americano na próxima década; o valor da redução do primeiro texto apresentado pelos republicanos era estimado em US$ 337 bilhões

Fonte: Congressional Budget Office (CBO)

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2017/05/1887557-lei-da-saude-de-trump-deve-tirar-cobertura-de-23-milhoes-de-pessoas.shtml

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta