Investigação aponta que parte das mortes registradas no ES teve atuação de PMs

Para o Governo Federal é certa a ação de grupos de extermínio formados por policiais militares no estado. Fontes da investigação que trabalham para estancar a crise confirmaram à CBN que a Polícia Federal já investiga em caráter sigiloso a atuação criminosa.

Por Basília Rodrigues e Gabriella Julie

Grande número de mortes durante onda de violência no ES superlota IML de Vitória (Crédito: Pablo Jacob / Ag. O Globo)Grande número de mortes durante onda de violência no ES superlota IML de Vitória – Crédito: Pablo Jacob / Ag. O Globo

Para o Governo Federal é certa a ação de grupos de extermínio formados por policiais militares no Espírito Santo. A investigação até agora já aponta que boa parte das mais de 130 mortes registradas no estado teve a atuação de policiais. Uma das autoridades ligadas à investigação afirmou que ‘há policiais aproveitando da manifestação que pede melhores condições de trabalho para cometer acertos de contas’.

Fontes da investigação que trabalham para estancar a crise confirmaram à reportagem da CBN que a Polícia Federal já investiga em carater sigiloso a atuação criminosa e que ‘incidentes realmente indicam a ação de movimentos organizados’. Com o reforço de tropas federais na segurança, os grupos já se mobilizam deixando a capital e migrando em direção ao interior do estado onde também estão sendo registradas chacinas.

O ministro da Justiça em exercício, José Levi irá retornar ao estado nesta segunda-feira. Segundo auxiliares da investigação, o ministro e outras autoridades devem falar em uma entrevista com a imprensa sobre o assunto. Com medo de que caos se espalhe para outros estados, o governo federal elevou o tom.

Em entrevista à CBN hoje, o ministro da defesa, Raul Jungmann, enfatizou que ações estão coordenadas em todos os níveis e não deixarão o estado até crise ser resolvida.

‘Não há possibilidade de nós arredarmos do Espírito Santo antes que a normalidade esteja de volta e que a vida e tranquilidade das pessoas estejam garantidas. Todo e qualquer meio e recurso que se faça necessário para isso, nós vamos utilizar’, diz.

No início dos anos 2000 é que vieram à tona as primeiras notícias da ação de um grupo de extermínio no Espírito Santo, uma ‘célula’ de um movimento formado por policiais e outras autoridades, como parlamentares, que tinha atuação no Rio de Janeiro. Um dos lemas era ‘bandido bom é bandido morto’, evidenciando vários crimes considerados ‘estranhos’ e de difícil investigação no estado.

Depois disso, o retorno do grupo já vinha sendo investigado. Até agora, mais de 700 policiais já foram indiciados pelo crime de revolta no estado. A Procuradoria-Geral da República também afirmou que estuda a possibilidade de federalizar crimes como o de motim. O Ministério Público Federal no estado já instaurou procedimento para identificar responsáveis pela paralisação e ressarcir gastos da União com envio de tropas.

http://cbn.globoradio.globo.com/editorias/policia/2017/02/12/INVESTIGACAO-APONTA-QUE-PARTE-DAS-MORTES-REGISTRADAS-NO-ES-TEVE-ATUACAO-DE-PMS.htm

Be the first to comment

Deixe uma resposta