A banalização da mentira

O que me assusta é a naturalidade com que convivemos com a mentira no parlamento e na política. Como se fosse normal.

CartaCapital

por Jean Wyllys 08/12/2016

PeríciaA Polícia Civil refutou a legenda de vídeo de Bolsonaro contra Jean Wyllys

Eu poderia falar, como a Universidade de Oxford o fez, em “pós-verdade”, conceito interessante quando se trata de política nas redes sociais. Contudo, para ser direto, prefiro falar de mentira.

Porque disso se trata. A família Bolsonarousou, outra vez mais, uma mentira para me difamar; e seus aliados – o deputado Alberto Fraga e o ex-corregedor da Câmara, Carlos Manato, também aliados do agora preso Eduardo Cunha – a apresentaram como “prova” para representar contra mim no Conselho de Ética, pedindo a cassação ou suspensão do meu mandato.

Porém, dessa vez, a Polícia Civil desmascarou, por meio de perícia incontestável, a mentira.

Vou explicar brevemente a que mentira me refiro. No dia da votação do impeachment da presidenta eleita, quando chegou a minha vez de votar, os deputados favoráveis ao golpe contra Dilma Rousseff (entre eles, os Bolsonaro) começaram a me vaiar e insultar com injúrias homofóbicas que ninguém merece ouvir, mas que eu, por ser homossexual assumido, estou acostumado a ouvir desde criança.

Ao longo dos últimos seis anos, ouvi os insultos homofóbicos de Bolsonaro dia após dia nos corredores, nas comissões e no plenário da Câmara dos Deputados, e nunca devolvi os insultos e nem agi com violência; jamais havia perdido a compostura por causa disso.

Naquele dia, porém, em meio à jornada mais tensa que vivi no parlamento desde que estou deputado, depois de ter ouvido Bolsonaro, minutos antes, homenagear o torturador Brilhante Ustra, as injúrias homofóbicas contra mim acabaram com a minha paciência e, numa reação humana, provocada pela indignação, cuspi em direção a ele.

Não neguei depois, como o fez o filho dele, que também me cuspiu, mas, depois, gravou um vídeo em que afirma jamais ter cuspido em alguém – porque não sabia que seu cuspe fora filmado. Eu não minto, eu sempre falo a verdade.

Se alguém tivesse me perguntado, uma semana antes, se eu seria capaz de cuspir em alguém, eu teria respondido que não. E não estaria mentindo. Não é assim que eu ajo; diferentemente do deputado Bolsonaro, que, alem de mentir, já deu um soco no senador Randolfe; empurrou a deputada Maria do Rosário e disse que só não a estupraria porque, segundo ele, “é feia”; agrediu a senadora Marinor Brito; insultou uma jornalista do SBT durante uma entrevista; gritou para um grupo de jovens, numa audiência pública na Câmara, expressões como “teu pai está dando o cu e você gosta de dar o cu também”. Quase todos os dias recebo ameaças de morte vindas de seguidores desse deputado.

Diferentemente dessas pessoas e de seu mentor, a quem chamam de “Bolsomito”, eu sou uma pessoa que faz política com conhecimentos, argumentos e ideias. Jamais agredi fisicamente outras pessoas (agredi verbalmente apenas como reação) e nunca me envolvi em brigas corporais. Porém, por ser humano, minha paciência tem limites. E, naquele dia, pela primeira vez, eu reagi. Espero que seja a última, porque espero que essa situação nunca mais se repita.

Foi isso que eu disse ao deputado Chico Alencar quando ele me perguntou o que tinha acontecido: “Eu cuspi na cara do Bolsonaro, Chico”. A conversa foi filmada de longe, não dá pra ouvir, mas a leitura labial permite entender. Eduardo Bolsonaro publicou uma versão deturpada desse vídeo com a legenda: “Eu vou cuspir”, sugerindo que eu tinha premeditado o cuspe.

Assista ao vídeo que mostra como Bolsonaro mentiu de novo para tentar ocultar a mentira anterior:

O vídeo deturpado foi apresentado pelo deputado Fraga e pelo ex-corregedor Manato como “prova” contra mim. O presidente da Casa, Rodrigo Maia, em que pese ser meu adversário político, foi honesto e republicano e quis arquivar a representação, mas Manato e os aliados de Cunha na mesa diretora derrotaram Maia numa votação e enviaram o caso com o vídeo falso para o Conselho de Ética.

Chico foi chamado para depor e disse que o vídeo era uma fraude. Eu fui chamado para depor e disse que o vídeo era uma fraude. Mas Jair Bolsonaro, o pai do falsificador, afirmou em seu depoimento que o vídeo era autêntico.

Mentiu.

Agora, a Polícia Civil entregou ao Conselho de Ética uma perícia que prova sem sombra de dúvidas que o vídeo foi deturpado e que, na verdade, ele foi filmado depois da cusparada e a minha fala, exatamente como eu disse, foi: “Eu cuspi”. Ficou provado que foi forjado um vídeo falso para me difamar para usá-lo contra mim no Conselho de Ética.

O que me assusta é a naturalidade com que convivemos com a mentira no parlamento e na política. Como se fosse normal. Agora que a Polícia Civil provou que o vídeo é falso, eu espero que o Conselho de Ética arquive essa absurda representação contra mim, mas, mesmo assim, quem me devolve o tempo perdido, a difamação sofrida, os danos, o sofrimento?

Outros homossexuais destacados em diferentes épocas foram vítimas desse expediente. Mentiras foram fabricadas contra eles para assassinar suas reputações, ou até para assassinar eles mesmos. Oscar Wilde, Alan Turing, Harvey Milk, Ângela Davis.

Não pretendo me comparar a eles, embora eles tenham sido inspiradoras para mim no que diz respeito a lutar contra a opressão e pela justiça. Não pretendo ser nem ser visto como herói. Busco em meu cotidiano mostrar que sou um homem de hábitos comuns, ando nas ruas, vou ao supermercado, bares, frequento lugares de sociabilidade gay, como saunas e clubes, justamente para não criar em torno de mim uma área mítica.

Contudo, sou muito determinado em dar um sentido positivo à minha existência, em fazer, desta, um meio de defender a liberdade, a igualdade de oportunidade, a diversidade e a justiça.

 http://www.cartacapital.com.br/politica/a-banalizacao-da-mentira

——————————–

6 de dez de 2016

—————————————–

CONSELHO DE ÉTICA

A imagem pode conter: 13 pessoas, pessoas sorrindo, multidão

Hoje, durante a sessão do Conselho de Ética, o deputado Ricardo Izar, do Partido Progressista (o campeão até agora de denunciados na Lava-Jato), apresentou relatório em que pede a suspensão do meu mandato por 120 dias, devido à suposta quebra do decoro parlamentar. O parecer, no entanto, demonstra que o que ele menos entende é de decoro e de ética.

O relatório apresentado é uma punição ao que eu represento no parlamento, ao que defendo politicamente, e não sobre qualquer ato específico (minha reação aos insultos de Bolsonaro), uma vez que Izar ignorou os depoimentos das testemunhas de defesa, o meu depoimento, o comportamento jocoso de Bolsonaro no próprio Conselho de Ética durante seu testemunho, e confirmou um parecer que ele – ILEGALMENTE – havia antecipado antes de ouvir a defesa e de me ouvir (o que cabe pedido de anulação do processo no STF).

Boa parte das pessoas leu nos últimos dias que o vídeo que ancorou todas acusações no processo foi analisado pela Polícia Civil, e a instituição provou que era fraudulento. Chega a ser irônico que, num momento em que mais da metade do parlamento ou está delatada por participar de esquemas de corrupção ou responde por outros crimes na Justiça, Ricardo Izar peça suspensão do meu mandato – prestigiado internacionalmente e pautado na ética e na transparência – por ter reagido a anos de insultos, calúnias, ameaças, ofensas homofóbicas e difamação por parte de um fascista, que fez apologia à tortura em cadeia nacional e é réu no STF por apologia ao estupro.

O deputado Manato e a mesa diretora montada pelo agora presidiário Eduardo Cunha estavam a serviço dele (de Cunha), quando encaminharam ao Conselho de Ética processo baseado num vídeo fraudulento, vingando-se de mim por toda oposição que fiz a ele (Cunha) e aos fundamentalistas seus aliados. Esse parecer do Izar tem relação clara com o golpe, com o fato de eu ter sido um dos principais opositores à manobra. E ainda mais, o que move os ânimos dessa gente é a homofobia.

A homofobia é o motor último desse processo (aliás, a homofobia é tão desgraçada quanto o sexismo e o machismo). Se o parecer for aprovado (se o Conselho votar a favor desse relatório – eu espero que não!), vamos recorrer à Comissão de Constituição e Justiça. E se o meu mandato for suspenso pela Câmara, vamos recorrer ao STF e, se for necessário, à Corte Interamericana de Direitos Humanos, pois me recuso a acatar uma decisão dessas. Esse parlamento não pode me punir por eu ser o que sou. Não aceito ser punido por ser um homossexual que ousou sair do lugar subalterno que a sociedade lhe reserva. Eu nunca fui acusado de nenhum ato de corrupção, não recebi dinheiro das empreiteiras da Lava-Jato, não estou na lista da Odebrecht, não tenho contas na Suíça e nunca agi de forma contrária à ética. Sou um deputado honesto que defende suas ideias, que você pode concordar ou não, mas foram apoiadas por 145 mil eleitores. O que eu faço na Câmara é o que eu prometi na campanha, porque nunca escondi meus projetos.

Agradeço a atitude republicana do presidente da Casa, Rodrigo Maia, que sempre foi meu adversário na política, mas agiu com isenção e de forma ética diante deste absurdo. Maia, bem antes de toda essa farsa, quis arquivar a representação, mas o ex-corregedor Carlos Manato e os aliados de Cunha na mesa diretora derrotaram Maia numa votação, e enviaram o caso ao Conselho de Ética. Essa noite, outra vez ele interveio contra a intenção de me retirar do Congresso:

“Eu quero pedir que as palavras do Silvio Costa sejam bem ouvidas para que a gente possa ter um ambiente de harmonia e de diálogo nessa casa. A situação política já não está muito boa para que a gente coloque mais lenha na fogueira. Essa sempre foi minha opinião desde o início na Mesa Diretora. Certamente o deputado Jean Wyllys errou, mas isso não nos faz cometer um outro erro, do meu ponto de vista pessoal e com a minha clareza que eu tento ter em todos os temas que eu debato nessa casa”, disse Rodrigo Maia, após uma demonstração de apoio do deputado Silvio Costa.

Quero dizer que, neste caso, não acho que tenha errado. Acredito que reagi aos insultos de uma pessoa que costuma utilizar violência contra mim e contra outros parlamentares, jornalistas e cidadãos, como está fartamente registrado em vídeos. Mas achei corajosa a atitude de Maia, enfrentando seus próprios aliados para que não sigam adiante com este vergonhoso processo.

Jean Wyllys

13 de dezembro de 2016

——————

http://www.controversia.com.br/blog/2016/12/12/mocao-de-apoio-somos-todos-jean-wyllys/

jean-wyllys-somos

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*